Publicado por: Alex Lobo | 12/09/2013

A VIDA DOS BRASILEIROS NO OUTRO LADO DA FROTEIRA, SONHO OU PESADELO?

passaporteJá é de rotina a situação de brasileiros que saem do Brasil para ganhar a vida em outros países, é um fato comum em diversos países do mundo você se deparar com uma colônia de brasileiros. São milhões de pessoas por ano atravessam a fronteira do país em busca de uma vida melhor, seja essa entrada de uma maneira legal ou Clandestina.

Pessoas que partem, deixando para trás suas famílias, seus laços, suas raízes em busca de um sonho. Poucos nem imaginam o pesadelo que podem encontrar no outro lado da fronteira, e que existe um espaço paralelo, um grande espaço entre o sonho e o pesadelo.
É comum no cotidiano encontrar cenas de brasileiros que ao tentar entrar em outros países, serem vítimas de maus tratos, abusos das autoridades e humilhações por parte das autoridades locais. Alem da dor da solidão, da tristeza em deixarem suas famílias para traz, ainda guardam consigo as cicatrizes do constrangimento, da humilhação.

Brazilian_embassy_in_Tegucigalpa,_HondurasOcorre quando muitos pensam que ao adquirir um visto de entrada em outra Federação, garante o acesso de entrada nesses países, o que não é fato. Tudo começa na parte do desembarque dos aeroportos desses países. Onde muitos passam por horas de espera, vítimas do descaso, muitos são submetidos até passarem dias sem comer, sem um mínimo de assistência para retornar ao seu país de origem.
Poucos pessoas tem a consciência de que entrar em um país alheio, é como você entrar numa casa que não é sua, uma chegada sempre tem uma saída, começando pela retirada do bilhete de viagem. Nenhum país quer gastar suas verbas, seus recurso financeiros em despesas de cidadãos de outros países, ainda mais os que estão de maneira irregular. A realidade nos países da Europa como a França, tem a transparência na utilização dos impostos pagos pelo seu cidadão, o dinheiro do povo que tem o seu valor não apenas simbólico. É como você tirar dinheiro da sua casa e dar para o desconhecido. A isso muitos países requer dos turistas que forem visitar esses países o seguro de saúde.

Questões de irregularidades como visto vencido, as multas se acumulam a cada dia de atraso, o que pode virar um drama para aquela pessoa que pretende retornar ao seu país de origem, e nisso as embaixadas e os consulados, nada podem fazer.
Existe ainda, os Países que possuem uma cultura restrita, uma política de repressão como Alemanha, Inglaterra e Rússia, onde apresenta certo preconceito com estrangeiros de países de origem muçulmana e da América Latina, em alguns lugares desses países a repressão apresenta uma política rigorosa, tendo como foco o racismo.

82014-piazzanavonaRecomendações segundo o Ministério das Relações exteriores, é que a pessoa tome um pré-conhecimento do Estado/ Federação em que vai visitar. Conhecimento em relação à cultura, idioma, religião, comportamento das pessoas e principalmente a culinária. Vivemos em um mundo que apresenta uma extrema diversidade cultural. Quanto menos se espera você poderá está desembarcando no meio de uma guerra civil, ou em um País de um regime de antidemocrático.
Verificar principalmente a Legislação local, alguns países da Europa, de origem muçulmana, parte da África e principalmente os países Asiáticos apresentam um sistema de legislação penal bastante rígido e cruel, que contrariam os princípios dos Direitos Humanos, mais precisamente o Pacto de San José. Muitos desses países adotam as chicotadas e palmatórias como execução de pena, sem falar na utilização como meio de execução a pena de morte.

O interessante é escolher acesso a países que mantém relações de amizade com o Brasil, o chamado de relação de reciprocidade. Países onde o Brasil possui consulados, onde ficaria mais fácil uma negociação de um suposto incidente. Mais o problema maior enfrentado pelo Ministério das Relações Exteriores é a questão da irregularidade, a luta maior para essas pessoas é a corrida contra o tempo para resolver esse problema, a política de nacionalização são bastante rígidas e exige um grande lapso temporal. Uma das alternativas mais utilizada é o chamado “casamento de fachada”, na Europa se o brasileiro não tiver um parente, um bisavô, um tataravô com nacionalidade de origem europeia, poderá se casar com um cidadão daquele país em que pretende adquirir a nacionalidade, uma negociação que muitas das vezes lhe custa muito caro. Uma dupla nacionalidade que lhe dará todos os direitos como um cidadão de origem, além do transito livre em todos os países da comunidade europeia, a saída com a certeza de seu retorno e sem burocracia.

_________________________________________________________________

________________________________________________________________

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: